14 de fev de 2010

A FÉ, AS OBRAS E O TESTEMUNHO



A FÉ, AS OBRAS E O TESTEMUNHO






T. Austin-Sparks


"Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma". Tiago 2.17.

   Se perguntarmos hoje quais são as características necessárias para que um grupo de cristãos sejam chamados de igreja vamos encontrar muitos conceitos, mas o Senhor não vê como vê o homem. Os olhos do Senhor e o prazer do Senhor estão todos voltados para o seu Filho. Somos agradáveis a Deus no Amado. Onde não há o Filho não há Vida.
Laodicéia foi repreendida pelo Senhor Jesus porque tinha as suas riquezas naquilo que não tinha valor, naquilo que era palha, que era do homem e não dEle. O conceito de riqueza deles estava fundamentado em coisas vis.
Ao contrário de Laodicéia, Paulo escreve que os tessalonicenses se tornaram uma igreja modelo para as outras igrejas. O que eles tinham que se tornaram modelo? Como diz o verso 3 do capítulo 1º, são: obras de fé, trabalho de amor e firmeza da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai.

É muito rica a revelação neste versículo, mas hoje vamos nos ater somente nas obras de fé.

Nós damos muito valor à fé, talvez porque inconscientemente pensamos que esta fé provém de nós. E grande parte das vezes pensamos que a fé é a maneira como vemos as coisas de Deus, a nossa opinião, e por causa disso entramos em debate e discussões.

A primeira coisa que temos que entender é que a fé é a atuação e a consumação de uma Pessoa, a Pessoa de Cristo em nós: "Olhando para Jesus, autor e consumador da fé,” Hebreus 12.2. A fé provém de Cristo: “E a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e amor que há em Jesus Cristo" I Timóteo 1.14, e não é um tipo de sentimento ou entendimento do homem, mas a expressão da Vida do Senhor em nós.

Esta fé não provém de nós, porque além dela ser um dom de Deus, ela é repartida a cada um: "Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um" Romanos 12.3.

Esta fé é por graça, segundo a medida do dom de Cristo: "Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de Cristo" Efésios 4.7. Algo que é repartido por Deus não pode ser do homem!

A uns Ele faz fraco na fé, a outros fortes. A sua medida repartida é conforme a medida que um cristão é como membro, da sua função no Corpo de Cristo. Deus pôs a cada um no Corpo como quis e para cada função repartiu uma medida de fé: "Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários" (I Coríntios 12.18-22). Uma medida menor não desmerece o membro, antes, ele tem a sua importância no Corpo.

Agora, o Senhor não repartiu a fé para que seja instrumento de disputa nem de discussões como nos ensina Paulo na epístola aos Romanos capítulo 14. Deus não repartiu a fé para que seja instrumento de medida para a vida cristã, mas para que aquela medida que Cristo é em cada um, seja conhecida da Igreja por meio da Sua Vida.

A fé não é para ser conhecida e nem medida pelos outros, ela é para o cristão diante de Deus: "Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus" Romanos 14.22.

A fé é para Deus, agora a Vida, o testemunho do Senhor, as obras de fé são para os homens. Ninguém precisa mostrar a fé que tem, essa Deus a vê e a conhece porque foi-lhe repartida, mas se ela não tem obras, não há a Vida manifesta do Senhor por esta fé, então ela é morta.

Como então podemos conhecer a fé de alguém? Pela ênfase ou pelo conhecimento que ele dá das Escrituras e das doutrinas? Não, pela sua vida, pelo testemunho, pelas obras de fé: "Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras" Tiago 1.18.