25 de jan de 2010

Série Mensagens - A CARREIRA CRISTÃ

A CARREIRA CRISTÃ




"Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande


nuvem de testemunhas deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de


perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta"


Hebreus 12.1.



Tem alguns testemunhos na Palavra de Deus que precisamos atentar, pois eles deixaram para nós, exemplos de uma boa carreira de fé: "ORA, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. Porque por ela os antigos alcançaram um bom testemunho" Hebreus 11.1-2. Eles alcançaram esse bom testemunho, porque deixaram todo embaraço e o pecado que tão de perto os rodeavam, e correram com perseverança a carreira que lhes estava proposta. E eles guardaram a fé porque olharam firmemente para Jesus: "PORTANTO nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus" Hebreus 12.1-2.

Vamos estudar em partes esses testemunhos de fé. Iniciaremos pelo testemunho de Abel: "Pela fé Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho dos seus dons, e por ela, depois de morto, ainda fala" Hebreus 11.4.

Abel não tinha diferença alguma de seu irmão Caim, os dois nasceram numa geração corrupta e perversa, debaixo do reinado da morte e do pecado: "Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram" Romanos 5.12. O testemunho de Deus pela Palavra é que Abel ofereceu a sua oferta ao Senhor pela fé. A fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra de Deus (Romanos 10.17). Abel não poderia ter oferecido aquele sacrifício se não tivesse ouvido a Palavra de Deus. Seus pais contaram aos dois a promessa que Deus fez a eles e à sua geração: "E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar" Gênesis 3.15, e a maneira como Deus iria realizar a sua justiça em Cristo: "E fez o SENHOR Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu" Gênesis 3.21.

Para fazer túnicas de peles, Deus teve que matar os animais. Deus mostrou pela morte dos animais o antídoto para o pecado, para as suas vergonhas. O homem tinha procurado tapá-las com folhas de figueira o que era temporal, mas Deus os vestiu com a Sua justiça eterna: "Porque, se o sangue dos touros e bodes, e a cinza de uma novilha esparzida sobre os imundos, os santificam, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?" Hebreus 9.13-14.

Abel creu e Caim não. Abel se reconheceu pecador, separado de Deus e ofereceu um cordeiro em seu lugar. Caim era um incrédulo, tanto é que achou que Deus iria aceitá-lo no pecado, porque ele ofereceu o que tinha conseguido com o suor do seu rosto. Deus não poderia aceitar aquilo que ele amaldiçoou: "E a Adão disse: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei, dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida. Espinhos, e cardos também, te produzirá; e comerás a erva do campo. No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás" Gênesis 3.17-19.

Caim olhou para ele mesmo e Abel olhou pela fé para Cristo, por isso ofereceu um melhor sacrifício. Jesus é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Através da fé nesse Cordeiro, e somente nEle é que encontramos a nossa justificação: "Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus" Romanos 3.24. Como Abel, a oferta que podemos fazer ao Senhor para sermos aceitos é a do Cordeiro de Deus. É a fé que morremos com Ele, e com Ele ressuscitamos para uma nova vida: "Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, o qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós" I Pedro 1.18-20. Qualquer outra coisa oferecida, nunca será aceita por Deus: "Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê mentiroso o fez, porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu" I João 5.10.

O segundo testemunho de fé em Hebreus é o de Enoque: "Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus" Hebreus 11.5. O primeiro testemunho de fé que a Palavra dá é o de Abel, porque essa é a necessidade primaria para uma vida cristã: "Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" João 3.3. Sem o arrependimento, a justificação pela fé em Cristo, o novo nascimento pelo Espírito, não há como começar a caminhada cristã. Se não passarmos pelo testemunho de Abel, estaremos andando como Caim; e como poderemos ser aceitos por Deus?

O testemunho de Enoque deve ser o testemunho do cristão que verdadeiramente nasceu de novo, que foi justificado por Deus pela morte do Cordeiro. Nascemos de novo para vivermos para Deus, para andarmos diante dEle: "Vinde, e tornemos ao SENHOR, porque ele despedaçou, e nos sarará; feriu, e nos atará a ferida. Depois de dois dias nos dará a vida; ao terceiro dia nos ressuscitará, e viveremos diante dele (obra redentora de Cristo). Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao SENHOR; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra (crescimento na vida cristã)" Oséias 6.1-3.

Jesus nos fez morrer nEle, e Deus nos fez nascer de novo pela ressurreição de Jesus dentre os mortos, para sermos dEle: "Entre as quais sois também vós chamados para serdes de Jesus Cristo" Romanos 1.6; para vivermos para Ele: "Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou" II Coríntios 5.14-15; para darmos fruto para Deus: "Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus" Romanos 7.4.

O testemunho que o Espírito Santo dá de Enoque, é a figura de fé do andar cristão e da esperança no arrebatamento da Igreja: "Pela fé Enoque foi transladado para não ver a morte...". "E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos" Judas 1.14. "Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor" I Tessalonicenses 4.16-17.

Como Enoque, Jesus irá ressuscitar os que dormiram em Cristo e transformar os que ainda estiverem vivos neste corpo terreno, e depois arrebatar todos os que creram para estar para sempre com Deus: "Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade" I Coríntios 15.51-53, e para não ver a segunda morte: "Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos" Apocalipse 20.6.

O viver de Enoque é o testemunho do verdadeiro cristão que anda com Deus em esperança: "Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo; o qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras" Tito 2.12-14. Como Enoque, andamos com Deus e Deus nos tomará para si: "Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa. O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória" Efésios 1.13-14.

O próximo testemunho de fé de Hebreus 11 é o de Noé: "Pela fé Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, temeu e, para salvação da sua família, preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé" verso 7. Alguns dividem os tempos em períodos, e dizem que agora estamos vivendo o período da graça, mas a graça foi o instrumento de salvação de Deus em todo tempo, mesmo antes da fundação do mundo: "Noé, porém, achou graça aos olhos do SENHOR" Gênesis 6.8.

Noé também é o testemunho de fé do verdadeiro cristão que anda com Deus e vive em esperança de não ver a morte. As Escrituras dão testemunho que Noé olhava firmemente para Jesus, porque a arca é uma figura de Cristo. Fomos incluídos em seu corpo (figura da arca) e salvos pela ressurreição dos mortos juntamente com Ele (libertação das águas do dilúvio): "Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus" Efésios 2.4-6.

Noé teve algo mais em seu viver cristão. Ele não só creu na obra redentora em Cristo, como também preparou a salvação para a sua casa. Deus tinha feito a ele a promessa da salvação da sua casa como a nós também: "E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. E lhe pregavam a palavra do Senhor, e a todos os que estavam em sua casa. E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi batizado, ele e todos os seus. E, levando-os à sua casa, lhes pôs a mesa; e, na sua crença em Deus, alegrou-se com toda a sua casa" Atos 16.331-34.

Noé não só creu em Cristo, como andou com Deus e pregou ao mundo da época a Sua justiça: "E não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, pregoeiro da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios..." II Pedro 2.5. Noé por fé se tornou herdeiro da justiça: "Para que, sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna" Tito 3.7.

Todo cristão que foi justificado, e anda com Deus pela fé do Filho de Deus (Gálatas 2.20), é constituído também um pregador da justiça: "E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado" Marcos 16.15-16. Ele nos torna uma testemunha Sua: "Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra" Atos 1.8.

Essa tarefa não é delegada por Deus a homens especiais, mas a todo que crê: "Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" I Pedro 2.9. "Vós sois as minhas testemunhas, diz o SENHOR, e meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que eu sou o mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. Eu, eu sou o SENHOR, e fora de mim não há Salvador" Isaías 43.10-11.

O que foi escrito, é para nosso ensino (Romanos 15.4), e o testemunho de fé de Abel, de Enoque e de Noé, são os testemunhos de fé do verdadeiro cristão que foi justificado em Cristo, que anda com Deus em esperança de não ver a morte e que antes prepara a salvação para a sua casa e depois se torna testemunha da Sua justiça, pregador da justiça: "E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus" II Coríntios 5.18-20.

Como Abel, Enoque, Noé e o endemoninhado de Gadareno, saímos de um estado de miséria, para a glória dos filhos de Deus. Agora é andar por fé, correndo com perseverança a carreira que nos está proposta, preparar a salvação da nossa casa e como mandou Jesus, apregoar a justiça de Deus aos outros: "E aquele homem, de quem haviam saído os demônios, rogou-lhe que o deixasse estar com ele; mas Jesus o despediu, dizendo: Torna para tua casa, e conta quão grandes coisas te fez Deus. E ele foi apregoando por toda a cidade quão grandes coisas Jesus lhe tinha feito" Lucas 8.38-39.

O próximo testemunho de fé que as Escrituras nos apresentam, é o de Abraão: "Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia. Pela fé habitou na terra da promessa, como em terra alheia, morando em cabanas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa. Porque esperava a cidade que tem fundamentos, da qual o artífice e construtor é Deus. Pela fé ofereceu Abraão a Isaque, quando foi provado; sim, aquele que recebera as promessas ofereceu o seu unigênito. Sendo-lhe dito: Em Isaque será chamada a tua descendência, considerou que Deus era poderoso para até dentre os mortos o ressuscitar; e daí também em figura ele o recobrou" Hebreus 11.8-10 e 17-19.

Primeiramente, o testemunho de fé de Abraão, nos ensina a maneira que os filhos de Deus devem viver neste mundo, como estrangeiros e peregrinos na terra: "Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de longe, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra. Porque, os que isto dizem, claramente mostram que buscam uma pátria" Hebreus 11.13-14. O chamado de Abraão foi um chamado para ir para a terra prometida, que hoje já a gozamos em Cristo: "Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus. Porque aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou de suas obras, como Deus das suas" Hebreus 4.9-10. Cristo é esse repouso de Deus para todo sempre: "Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do SENHOR, e envie ele a Jesus Cristo, que já dantes vos foi pregado" Atos 3.19-20.

Abraão é a figura do Pai, a figura de Deus, e Isaque a figura de Cristo. Esse é um assunto precioso mas que está sendo preparado no estudo "Cristo em vós", que será incluído futuramente. No testemunho de fé de Abraão, o que podemos tomar como ensino em nosso caminhar cristão é que ele foi chamado amigo de Deus: "E cumpriu-se a Escritura, que diz: E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus" Tiago 2.23.

Uma vez justificados pela fé como Abel, e andando com Deus como Enoque, e anunciando o evangelho para os nossos e para o próximo como Noé, nosso viver cristão é para ser na presença de Deus, como seus amigos: "Sendo, pois, Abrão da idade de noventa e nove anos, apareceu o SENHOR a Abrão, e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo-Poderoso, anda em minha presença e sê perfeito" Gênesis 17.1, como amigos de Deus e de Jesus Cristo: "Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer" João 15.15.

Falamos do evangelho para os outros não como uma obra, como uma obrigação, mas porque cremos: "E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos" II Coríntios 4.13. Deus não nos chamou para fazer obras, mas para sermos amigos dEle: "Leva-me tu; correremos após ti. O rei me introduziu nas suas câmaras; em ti nos regozijaremos e nos alegraremos; do teu amor nos lembraremos, mais do que do vinho; os retos te amam" Cântares 1.4. "Quão amáveis são os teus tabernáculos, SENHOR dos Exércitos! A minha alma está desejosa, e desfalece pelos átrios do SENHOR; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo" Salmos 84.1-2. "O segredo do SENHOR é com aqueles que o temem; e ele lhes mostrará a sua aliança" Salmos 25.14.

Como Abraão, precisamos correr com perseverança a carreira que nos está proposta. O Senhor nos chama a andar na Sua Presença e sermos amigos dEle, entrar na Sua intimidade: "E desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias. E desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao SENHOR" Oséias 2.19-20. Andarmos como peregrinos e estrangeiros nesta terra, esperando sermos introduzidos em nossa verdadeira pátria, a celestial: "PORQUE sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus. E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu; se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus. Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida. Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Deus, o qual nos deu também o penhor do Espírito" II Coríntios 5.1-5.

O próximo testemunho de fé, daqueles que correram com perseverança a carreira que nos está proposta, é o de Isaque: "Pela fé Isaque abençoou Jacó e Esaú, no tocante às coisas futuras" Hebreus 11.20. Isaque também foi uma figura de Cristo, tanto é assim que Deus mandou Abraão sacrificá-lo. Naquele sacrifício, Abraão viu o seu verdadeiro filho, ele viu Jesus, o Cordeiro de Deus que ia ser morto: "Mas o anjo do SENHOR lhe bradou desde os céus, e disse: Abraão, Abraão! E ele disse: Eis-me aqui. Então disse: Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada; porquanto agora sei que temes a Deus, e não me negaste o teu filho, o teu único filho. Então levantou Abraão os seus olhos e olhou; e eis um carneiro detrás dele, travado pelos seus chifres, num mato; e foi Abraão, e tomou o carneiro, e ofereceu-o em holocausto, em lugar de seu filho. E chamou Abraão o nome daquele lugar: O SENHOR PROVERÁ; donde se diz até ao dia de hoje: No monte do SENHOR se proverá" Gênesis 22.11-14. Disse Jesus: "Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se" João 8.56.

Isaque também recebeu por revelação a promessa em Jesus, tanto é assim que falou aos dois filhos das coisas futuras. Pelas Escrituras, parece que Jacó usurpou a benção, mas ela não teria validade se Deus não a tivesse confirmado: "E eis que o SENHOR estava em cima dela, e disse: Eu sou o SENHOR Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque; esta terra, em que estás deitado, darei a ti e à tua descendência; e a tua descendência será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti e na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra; e eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra; porque não te deixarei, até que haja cumprido o que te tenho falado" Gênesis 28.13-15.

Essa promessa já tinha sido dada por Deus a Rebeca antes de Jacó nascer: "Porque a palavra da promessa é esta: Por este tempo virei, e Sara terá um filho. E não somente esta, mas também Rebeca, quando concebeu de um, de Isaque, nosso pai; porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), foi-lhe dito a ela: O maior servirá o menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú" Romanos 9.9-13. Em Noé Deus mostrou a Sua Graça, em Jacó a Sua Misericórdia: "Que diremos pois? que há injustiça da parte de Deus? De maneira nenhuma. Pois diz a Moisés: Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia" Romanos 9.14-15.

Muitos não entendem isso, até chamam Deus de injusto. Eles o acusam porque não entendem que a Graça de Deus é dada a todos, ela é um convite: "Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando..." Tito 2.11-12, mas a eleição é segundo a Sua Misericórdia, e ela não dependem do homem, mas somente de Deus: "Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, de usar da sua misericórdia" Romanos 9.16.

Esaú é o testemunho da Graça dada a todos os homens. Ele nasceu com o direito de primogenitura. A Graça de Deus também é um direito de todos, foi manifestada a todos os homens, mas é totalmente desprezada: "Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus... E ninguém seja devasso, ou profano, como Esaú, que por uma refeição vendeu o seu direito de primogenitura" Hebreus 9.15-16. Esaú é o testemunho da Graça de Deus dada a todos os homens, Jacó é o testemunho da Misericórdia de um Deus bondoso: "Para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que para glória já dantes preparou, os quais somos nós..." Romanos 9.23-24.

Isaque alcançou um bom testemunho pela fé, e abençoou seus filhos Jacó e Esau (veja que a Palavra coloca aqui na ordem certa), no tocante às coisas futuras, porque olhou firmemente para Jesus. Se você crê, é porque tem sido abençoado em Jacó, segundo a Sua Misercórdia e não em Esaú; caso contrário, você e eu teríamos vendido nosso direito por qualquer prato de guisado, ainda que abençoados em Jesus com a Sua Graça: "E à hora da ceia mandou o seu servo dizer aos convidados: Vinde, que já tudo está preparado. E todos à uma começaram a escusar-se" Lucas 14.17-18 .

"Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande MISERICÓRDIA, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós" I Pedro 1.2-4. "Mas Deus, que é riquíssimo em MISERICÓRDIA, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos)" Efésios 2.4-5.

O próximo testemunho de fé, daqueles que correram com perseverança a carreira que lhes estava proposta no Livro de Hebreus é o de Jacó: "Pela fé Jacó, próximo da morte, abençoou cada um dos filhos de José, e adorou encostado à ponta do seu bordão" Hebreus 11.21. Jacó foi o pai das doze tribos de Israel: "Todas estas são as doze tribos de Israel; e isto é o que lhes falou seu pai quando os abençoou; a cada um deles abençoou segundo a sua bênção" Gênesis 49.28. A partir de Jacó, Deus não mais andava com um homem, mas com um povo, o povo de Israel (novo nome de Jacó): "Todas as almas que vieram com Jacó ao Egito, que saíram dos seus lombos, fora as mulheres dos filhos de Jacó, todas foram sessenta e seis almas. E os filhos de José, que lhe nasceram no Egito, eram duas almas. Todas as almas da casa de Jacó, que vieram ao Egito, eram setenta" Gênesis 46.26-27.

Como vimos anteriormente, Abraão andou com Deus e foi chamado amigo de Deus. Esse é um testemunho para o nosso viver cristão, bem como todos os que já vimos. Agora em Jacó Deus tinha um povo, um rebanho. Foi através de Jacó que Deus começou a se manifestar como Pastor: "E abençoou a José, dizendo: O Deus em cuja presença andaram os meus pais Abraão e Isaque, o Deus que tem sido o meu pastor durante toda a minha vida até este dia...(Tradução CMTHG)" Gênesis 48.15.

O testemunho de fé de Jacó, para nós cristãos, é olhar firmemente para Jesus e o conhecer como o nosso Pastor: "Porque éreis como ovelhas desgarradas; mas agora tendes voltado ao Pastor e Bispo das vossas almas" I Pedro 2.25. Aquele que primeiramente deu a Sua vida por nós: "Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas" João 10.11, e que agora cuida desse rebanho: "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão" João 10.27-28.

O verdadeiro cristão, é aquele que está correndo com perseverança a carreira; foi lavado no sangue do Cordeiro, anda com Deus, tem preparado a salvação para a sua casa e é pregador da justiça. É amigo de Deus, e também o tem conhecido como o seu Pastor, o verdadeiro Pastor que não falta. Ele nos tem dado do seu pasto verdejante, guia-nos mansamente às águas de descanso, refrigera a nossa alma. Ensina-nos, e nos consola no tempo da angustia; um socorro bem presente. Ele endireita as nossas veredas e nos faz andar pela sua justiça. Em toda e qualquer situação Ele está conosco, não nos deixa e não nos desampara. Mesmo na disciplina, sabemos que o Bom Pastor tem um propósito bendito. Ainda que o leão ande ao derredor, bramando e rugindo, buscando a quem possa tragar, Ele nos dá de comer, nos deixa confiantes. Certamente, segundo a Sua fidelidade, a sua bondade e a sua misericórdia nos seguirão todos os dias da nossa vida, e depois, quando findar os nossos dias, temos dEle uma moradia reservada nos céus; uma morada eterna (Salmos 23).

O próximo testemunho de fé, daqueles que o alcançaram em sua carreira, porque olharam firmemente para Jesus, é o de José: "Pela fé José, próximo da morte, fez menção da saída dos filhos de Israel, e deu ordem acerca de seus ossos" Hebreus 11.22. José com esta fé, profetizou para os filhos de Israel, a libertação do cativeiro do Egito, e pediu para eles levarem os seus ossos de volta para Canaã. Para nós é uma profecia da nossa ressurreição, onde nem nossos ossos ficarão enterrados para sempre aqui nesta terra, que também é uma figura do Egito: "Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho" Lucas 24.39. "Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas" Filipenses 3.20-21.

No testemunho de fé de José, que correu com perseverança a carreira que lhe estava proposta, e que nos serve de exemplo, não é somente da fé em nossa ressurreição, mas é do sofrimento dele em favor do povo. José sofreu tudo aquilo, mas entendeu que Deus tinha um propósito através dele, de cuidado com o Seu povo: "Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós. Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega. Pelo que Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na terra, e para guardar-vos em vida por um grande livramento. Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus, que me tem posto por pai de Faraó, e por senhor de toda a sua casa, e como regente em toda a terra do Egito" Gênesis 45.5-8.

Podemos crer na obra redentora de Jesus Cristo, de andar com Deus, ser amigo dEle, conhecê-lo como nosso pastor, mas se não vermos o seu povo, e não sofrermos com Ele, não seremos com Ele glorificados: "Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele... E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados" Filipenses 1.29 e Romanos 8.17. Nossa vida cristã será egoísta, apenas de um benefício próprio: "Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia. Busca satisfazer seu próprio desejo aquele que se isola; ele se insurge contra toda sabedoria" Hebreus 10.25 e Provérbios 18.1.

Abel, Enoque, Noé, Abraão, Isaque e Jacó, dão testemunho de fé, de uma vida cristã pessoal com Deus, de uma carreira cristã pessoal com a Pessoa de Cristo, mas José nos ensina que olhando para Jesus, Ele nos leva também a ver o Seu povo, a Sua Igreja: "Regozijo-me agora no que padeço por vós, e na minha carne cumpro o resto das aflições de Cristo, pelo seu corpo, que é a igreja; da qual eu estou feito ministro segundo a dispensação de Deus, que me foi concedida para convosco, para cumprir a palavra de Deus" Colossenses 1.24-25.

O testemunho de José é um testemunho bendito do sofrimento pelo povo. Não podemos pensar apenas em ter nossa vida cristã pessoal com Deus e desprezar o Seu povo, a Sua Igreja: "Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna" II Timóteo 2.10. Mas para isso é preciso renunciar a tudo quanto possuímos, até a própria vida: "Se alguém vier a mim, e não aborrecer a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, e ainda também a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. Assim, pois, qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo" Lucas 14.26 e 33.

José alcançou um bom testemunho de fé, porque olhou firmemente para Jesus. Não é possível olharmos para Jesus e não vermos a Sua noiva sendo preparada como virgem pura: "Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo" II Coríntios 11.2. Seria muito egoísmo corrermos com perseverança a carreira proposta e não nos dispormos para sermos participantes do evangelho: "Ou não o diz certamente por nós? Certamente que por nós está escrito; porque o que lavra deve lavrar com esperança e o que debulha deve debulhar com esperança de ser participante. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele" I Coríntios 9.10 e 23.

Na meditação do dia 26 de outubro falamos sobre esse sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. José a princípio, não entendeu as visões que Deus tinha lhe dado; ele soube depois do Seu propósito e se regozijou nEle. Agora Isaías, quando viu o Senhor disse: "Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos. Porém um dos serafins voou para mim, trazendo na sua mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz; e com a brasa tocou a minha boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniqüidade foi tirada, e expiado o teu pecado. Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim" Isaías 6.5-8. Olhemos firmemente para Jesus e falemos a Ele: Eis-me aqui Senhor, envia-me a mim.

O próximo testemunho de fé, daqueles que o alcançaram em sua carreira, porque olharam firmemente para Jesus, é o de Moisés: "Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado. Tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa" Hebreus 11.24-26. Moisés nos dá um testemunho de fé precioso diante das tentações mundanas. Ele tinha tudo o que um homem pode ter no mundo, pois o Egito era a grande potência da época. Lá ele tinha fama, prestígio, poder, conhecimento, prazeres, riquezas, e tudo o que o mundo podia oferecer-lhe, mas ele olhou firmemente para Jesus, e correu com perseverança a carreira que lhe estava proposta.

Faraó é uma figura de Satanás, e o mundo estava a seus pés. Como na tentação de Jesus, tudo foi oferecido a Moisés: "E o diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero. Portanto, se tu me adorares, tudo será teu" Lucas 4.5-7. Jesus resistiu a tentação, assim como Moisés, que preferiu ser maltratado com o povo de Deus, do que ter por algum tempo o gozo do pecado, porque tinha em vista a recompensa.

Moisés é para nós cristãos, um testemunho do viver neste mundo. Estamos no mundo, mas não somos do mundo. Assim como Faraó perseguiu, e odiou o povo de Deus, assim também são odiados os filhos de Deus neste mundo: "Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia" João 15.18-19.

Não há meio termo para Deus, a amizade do mundo é inimizade contra Deus: "Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" Tiago 4.4. Aquele que ama o mundo, mostra que o amor do Pai não está nele: "Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele" I João 2.15.

O mundo é fascinante para quem dele usufrui, porque a sua satisfação é para agora; está ao alcance das mãos e dos olhos, é para ser usufruído agora: "Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre" I João 2.16-17. Moisés podia usufruir de tudo isso, mas olhou firmemente para Jesus e viu uma riqueza ainda maior: "A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo" Efésios 3.8.

Não há nada no mundo que sirva de benefício para um cristão. O mundo inteiro jaz no maligno (I João 5.19). Toda a sedução do mundo só serve para impedir o nosso crescimento e de correr com perseverança a carreira proposta: "E a que caiu entre espinhos, esses são os que ouviram e, indo por diante, são sufocados com os cuidados e riquezas e deleites da vida, e não dão fruto com perfeição" Lucas 8.14; só servem para combater contra nós: "Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais que combatem contra a alma" I Pedro 2.11.

Estamos no mundo, e temos necessidades aqui, mas não podemos usar dele em absoluto: "Isto, porém, vos digo, irmãos, que o tempo se abrevia; o que resta é que também os que têm mulheres sejam como se não as tivessem; e os que choram, como se não chorassem; e os que folgam, como se não folgassem; e os que compram, como se não possuíssem; e os que usam deste mundo, como se dele não abusassem, porque a aparência deste mundo passa" I Coríntios 7.29-31.

Pelos olhos humanos, Moisés foi um louco, mas pela fé ele foi sábio: "Ninguém se engane a si mesmo. Se alguém dentre vós se tem por sábio neste mundo, faça-se louco para ser sábio" I Coríntios 3.18. Moisés viu que as riquezas desse mundo são transitórias, mas em Cristo tudo é nosso e são riquezas eternas: "Portanto, ninguém se glorie nos homens; porque tudo é vosso; seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro; tudo é vosso, e vós de Cristo, e Cristo de Deus" I Coríntios 3.21-23, e é nosso eternamente: "Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam" Mateus 6.19-20.

A alegria de um cristão deve estar no Senhor e não nas coisas desse mundo, ainda que sejam grandiosas como os tesouros do Egito: "Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; todavia eu me alegrarei no SENHOR; exultarei no Deus da minha salvação. O SENHOR Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas" Habacuque 3.17-19.

Em Hebreus 11.32-40, Deus ainda nos diz: "E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas, os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos. As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; e outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados (Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra. E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados".

Diante de todos esses bons testemunhos, daqueles que o alcançaram pela fé, o Senhor nos ensina em Sua Palavra: "Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para Jesus, autor e consumador da fé..." Hebreus 12.1-2.

Eles combateram o bom combate, correram a carreira e guardaram a fé. A coroa da justiça já está guardada para eles, a qual o Senhor lhes dará naquele dia; e não somente a eles, mas também a todos os que amarem a sua vinda (II Timóteo 4.7-8). A exortação do Senhor para nós, que ainda temos uma carreira para correr e uma vitória para alcançar é: "Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé" I João 5.4. Que a corramos com perseverança, prosseguindo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus: "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" Filipenses 3.13-14.

Estamos no mundo, mas não somos do mundo; por isso, para nós cristãos que ainda estão no mundo, o Senhor nos diz: "Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso. Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus" II Coríntios 6.14-18 e 7.1.

Deus provera coisa melhor para nós. Todos eles morreram na fé, viram e abraçaram de longe, mas não a alcançaram; mas nós já gozamos daquilo que para eles ainda era uma promessa. Portanto, deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos assedia, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para Jesus, autor e consumador da nossa fé; porque fazendo isso, nunca jamais tropeçaremos: "Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis. Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo" II Pedro 1.10-11

Nesta carreira, o Espírito tem nos ensinado a olharmos para Jesus, a estar nEle, a ouvir e aprender dEle, a estar arraigado nEle, a crescer nEle. Assim como o Espírito nos ensinou, é para permanecer nEle. Se permanecermos nEle não ficaremos confundidos na sua vinda: "E a unção que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis. E agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e não sejamos confundidos por ele na sua vinda" I João 2.27-28. Amém.



Edward Burke Junior